Blogger Template by Blogcrowds

Sobre blog, amigos e chuvas

Este blog nasceu em quinze de dezembro de 2008. É, ainda, um bebezinho que necessita muitos cuidados e muita atenção. Felizmente, recebe muitas visitas e, recebe, igualmente, muitos mimos, tantos que, na maioria das vezes não é merecedor. Mantê-lo, não é muito fácil, pois às vezes insiste em querer alimentação nas horas mais estranhas do dia ou da noite. E é nesses momentos que precisa receber umas linhas, caso contrário a idéia foge e, pelo menos aquela já não volta mais. Mas, o prazer de conhecer e conviver, pelo menos virtualmente com pessoas e culturas diversas, esse é inigualável e é o segundo motivo da escrita. O primeiro é a satisfação pessoal, que independe de qualquer outro estímulo externo. Aliás, se não há prazer, escrever para que? Ou, para quem? Que o diga algumas pessoas especiais que costumam, nas suas andanças, dedicar um tempinho a esse recem nascido (com ou sem hifen?) Que o diga o Bis que transformou-se em um "ombudsman" das letras que pingam por aqui e já foi responsável por um texto postado e retirado em seguida, por não estar "à altura" da "linha editorial". Foi a única vez que escrevi algo sobre o Big Brother Brazil. Em outra oportunidade, o texto foi reescrito e nada restou do original, porque o "tom emocional" com que foi escrito também não combinava com o estilo "light" que foi proposto aqui. E eu que pensava guiar, sozinho, as minhas próprias mãos!

Mas, nesses pouco mais de três meses, teve o carinho de Abel, Lou, Lara. Uma família inteira que, vez por outra, vem beber da fonte. É por isso que as águas que correm por aqui precisam estar sempre limpas e sempre abundantes...

Essa coisa de citar nomes é cruel, porque acabamos por ser injustos. E eu serei, de qualquer maneira, com amigos que se fazem presente aqui. Mas, já que sentei para escrever sobre as chuvas e o grito de socorro da natureza, assunto que ficará para o próximo post, preciso agradecer à Babi (anda sumida!) que, em uma de suas passagens deixou um mimo em forma de selo, à Valéria, também apaixonada pelas palavras, que alimenta quase todos os posts e causa tristeza quando não o faz e, ainda Marcos Martino, músico, amigo e conterrâneo de cuja presença já nos acostumamos...

Glauco passou por aqui ainda em dezembro, quando os primeiros textos eram escritos. Trouxe o primeiro selo e o primeiro incentivo e, daí em diante...

daí em diante, que coisa estranha. Penso escrever sobre um assunto e sai outro... agora, por exemplo, sentei-me para escrever sobre as chuvas. As águas de março, famosas na música de Jobim, que agora transformaram-se em "enchentes de março", um pedido de socorro do planeta, face às reiteradas atitudes do homem. Mas, como esse foi o assunto que mais abordei até o momento, talvez por isso, pensei chuvas e falei de amigos. Quer coisa melhor?

5 comentários:

Tô ficando chique que legal.
Obrigado.
bjocas!

10:22 AM  

Obrigada Vander pela citaçao.
Concordo com tudo que vc disse, de menos que não é merecedor dos mimos.Ler seu bolg é sempre um prazer! Adimiro suas postagens, sempre tem algo que nos leva a refletir.
Abraços

9:09 PM  

Pois é, Vanderlei. Uma vez você foi meu conselheiro e eu, humildemente acatei. Eu andava meio decepcionado com a pouca visitação num blog que havia feito para as memórias do Virtuais do Festival de Alvinópolis. Aí, você me falou que o grande barato é escrever sem esperar nada, só escrever, semear palavras ao vento, como quem joga garrafas com mensagens ao mar ( isso é por minha conta). Pois é, rapaz. Esses dias, noto que o fluxo está menor mesmo. Mas é isso mesmo. A vida é feita de fluxos e refluxos. Fluxos migratórios, fluxos alternados, fluxos...O Alvinópolis que pensa também tem pensado menos. São os fluxos...

9:20 PM  

Querido Vandar, obrigada pela menção. Não tenho visitado quase nenhum blog porque a vida pessoal anda bem complicada - a Miss Martha está há três semanas no hospital, duas delas no CTI.

Mas te dou uma dica quanto às idéias: carregue sempre um caderninho com você e anote-as. Garranchos que depois vc vai desenvolver. Se a idéia tiver energia, mesmo passado um tempo, o texto sai que é uma beleza.

Outra coisa que faço é uma pasta com recortes de jornais. Matérias interessantes que depois viram assunto de post.

Mas, na maioria das vezes eu escrevo o que dá na telha mesmo. Não tenho arquivo nem textos prontos.

Um beijo e uma ótima semana para ti.

10:13 PM  

Gostei da maneira como escreveu essa postagem, em como comparou o blog novato a um bebê recém nascido.

Por coincidência eu postei algo de Tom Jobim e Vinícius de Moraes no meu.

Abs

11:33 PM  

Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial